Estudo diz que exame de sangue pode detectar câncer em estágio inicial

Um estudo publicado na revista Science Translational Medicine pode ser uma passo importante na luta da medicina contra o câncer. Os resultados da pesquisa concluíram que um novo exame de sangue criado por cientistas é capaz de combater a doença no seu estágio inicial. Durante o estudo foi possível identificar os cânceres mais comuns, como o de mama, o de pulmão, o de ovário e o colorretal, e todos em seu estágio inicial — o estudo foi feito em 86 pacientes.

O pesquisador e professor Victor Velculescu e sua equipe, da Universidade Johns Hopkins, detectaram fragmentos genéticos da doença por meio desse exame, que é feito de forma não invasiva. De acordo com os pesquisadores, o estudo mostrou que é possível diagnosticar a doença por meio de mutações encontradas no sangue de uma pessoa. Disseram que o método possui alta precisão e é uma forma promissora de se detectar o câncer precocemente.

Na verdade, os exames feitos atualmente, na maioria das vezes, não conseguem detectar tumores na sua fase inicial. Esse novo exame vem para isso, tornar a detecção precoce da doença possível — visto que os pesquisadores transformaram um exame de sangue, que é um procedimento muito simples, em uma arma poderosíssima de diagnóstico. Os tumores, mesmo em seus estágios iniciais, são capazes de liberar no sangue partículas de DNA e a partir de agora será possível elas serem identificadas precisamente.

O doutor brasileiro Alessandro Leal que faz parte da equipe de um dos hospitais mais importantes do mundo, o Hospital Johns Hopkins, e que participou da pesquisa, disse que a precisão do exame é de quase 100% e que, além de tudo, trata-se de um método minimamente invasivo.

A chamada biópsia líquida, como tem sido chamado o exame revolucionário, pode aumentar as chances de sobrevida e cura da doença. De acordo com os estudiosos, estará disponível para os pacientes em um período de dois a cinco anos.