Crânio humano de 400 mil anos é encontrado em Portugal

Um novo fóssil de crânio humano foi encontrado em Portugal, e ao que tudo indica o fóssil é o mais antigo já encontrado naquela região. Um grupo internacional de cientistas estudaram o fóssil e conseguiram chegar a uma idade de mais de 400 mil anos. Esse foi o primeiro crânio com idade mais antiga encontrado em Portugal, na região de Aroeira, que fica aproximadamente a 25 quilômetros ao sul da cidade de Lisboa. Escavações anteriores encontraram muitos tipos de ferramentas feitas de pedra na região.

O estudo foi coordenado por João Zilhão, que é arqueólogo da Universidade de Bristol – Reino Unido. A descoberta foi publicada no Pnas – Proceedings of the National Academy of Sciences. Segundo os especialistas, essa descoberta é de suma importância para compreender a trajetória da evolução humana na região da Europa no período que corresponde a 1,8 milhões e 11 mil anos atrás, também chamado de Pleistoceno.

Zilhão declarou: “Tenho estudado esse sítio nos últimos trinta anos e nós conseguimos dados arqueológicos muito importantes, mas a descoberta de um crânio humano dessa idade e dessa importância é sempre um momento muito especial”.

O espanto é que nenhum outro fóssil datado a era Pleistoceno havia sido descoberto antes naquela região ocidental da Europa. Rolf Quam, que é antropólogo da Universidade de Bringhamton – Estados Unidos – e também é um dos autores do estudo, disse: “A descoberta desse novo fóssil da Península Ibérica é interessante, porque se trata de uma região crucial para a compreensão da origem e evolução do homem de Neanderthal. Ele é também o mais antigo do continente, associado à fabricação de ferramentas de pedra”.

Diversos outros fósseis já foram encontrados em outros locais com uma data aproximada que equivale ao período Pleistoceno, no entanto, Rolf Quam afirmou que somente o crânio encontrado em Portugal teve uma idade definida com muita precisão sobre a sua origem. Dessa forma o fóssil entra dentro do contexto arqueológico, ainda mais por ter sido encontrado ao seu redor, diversos outros fósseis de algumas espécies de animais antigos e de algumas ferramentas feitas de materiais que correspondem aquela época.

Rolf Quam declarou: “O crânio de Aroeira é o fóssil mais antigo já encontrado em Portugal e compartilha algumas características com outros fósseis do mesmo período na Espanha, França e Itália”. O crânio que foi divulgado somente este ano, foi encontrado no final do ano de 2004. Ele foi localizado em uma área recoberta pelas novas estruturas do homem a base de cimento, por isso a sua extração foi bastante complexa e demorada.

O processo de extração demorou ao todo cerca de dois anos. Após ter sido removido das estruturas de cimento, o fóssil foi transferido para ser analisado em laboratórios de restauração, do centro de pesquisas paleoantropológicas, Centro de Investigação Sobre a Evolução e Comportamento Humanos, localizada em Madri, na Espanha.