Reumatismo também pode afetar crianças e adolescentes diz estudo

O conjunto de doenças inflamatórias que causam dores, calor e inchaço nas articulações também afetam crianças e adolescentes, sendo a mais comum delas, a artrite idiopática juvenil. A inflamação articular tem como característica principal a inflamação articular, assim como nos adultos que tem artrite reumatoide, apesar de causar dor mínima em alguns casos. A atenção dos pais é fundamental caso os filhos apresentem queixa de dores causadas por atividades do seu cotidiano ou a perca de apetite.

Os sintomas se apresentam em três tipos, sendo eles a artrite idiopática juvenil oligoarticular, que atingem até 4 articulações, sendo as mais frequentes no joelho e tornozelo. É comum também nesses casos os pacientes apresentarem uveíte, uma inflamação no olho que necessita de avaliação de um especialista em oftalmologia. No caso da poliarticular, são 5 as articulações mais afetadas, causando febre alta, dor no peito, dificuldade de respiração e aumento do baço e fígado.

A estimativa é que no mundo todo, 1 a cada 2 mil crianças sofram de artrite idiopática juvenil, com uma variação de prevalência na população.

O reumatologista pediátrico Claudio Len, e professor da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, conta que uma recente pesquisa que não foi publicada indica 1 caso a cada 860 em São Paulo.

Sem causa suspeita, a febre se repete e os sintomas podem ser confundidos com as dores de crescimento, uma condição frequente na infância que desaparece sozinha. Não se sabe o que provoca essas dores que são aliviadas com descanso e massagem. No caso da artrite, essa inflamação não sara sozinha, e quanto mais rápido for o diagnóstico e início do tratamento, as chances de remissão aumentam.

O uso prolongado de corticoides e medicamentos imunossupressores ou imunobiológicos são usados em muitos casos da doença, junto de fisioterapia e terapia ocupacional. Len, conta que se a doença não for tratada, causa lesões irregeneráveis nas articulações. Infelizmente são poucas as instituições públicas e médicos capacitados para realizar tratamento de crianças e adolescentes com a doença.

O processo inflamatório pode fazer com que as meninas tenham o início da menstruação atrasada ou fiquem longos períodos sem menstruar. Doenças crônicas causam impactos na vida das crianças e adolescentes, por isso muitas famílias necessitam da ajuda de profissionais na área de psicologia.